Domingo, 27 de Setembro de 2009

Tudo é possível quando se acredita o suficiente

 

imagem retirada da net

 


Isabel tinha finalmente conhecido o anão e eu estava sentada debaixo da laranjeira mais antiga na casa da minha avó. Segurava no colo o livro que me tinham dado no aniversário com muito cuidado. Era a história de uma menina chamada Isabel que costumava brincar numa floresta e que um dia encontrou uma enorme árvore de raízes que saiam do chão. Nessas raízes Isabel construiu uma casa para o seu amigo anão. Tornaram-se amigos. Muito amigos.

Eu olhei para a laranjeira e desejei que essa laranjeira também tivesse raízes que saíssem do chão. Desejei viver numa floresta mágica como a do livro. Desejei que alguma coisa de novo acontecesse na minha vida monótona.

Estava assim nestes pensamentos quando de repente um barulho estranho me chamou a atenção. Olhei para todos os lados e não vi nada de estranho. Voltei ao livro. Voltei a ouvir o barulho estranho e levantei-me. Ali bem próximo do muro que separava o quintal do bosque estava um coelho. Era o coelho mais bonito que eu alguma vez tinha visto. Muito grande, de pelo sedoso e olhos brilhantes. Senti que um sorriso se formou nos meus lábios. Pareceu-me que o coelho também estava a sorrir.

“Que parva que sou. Os coelhos não sabem sorrir!”

Andei um bocadinho para mais perto do coelho, mas ele começou a andar para o muro. Parei. Mas o coelho parou também e olhou para trás. Eu avancei novamente e ele também avançou. Depois parei novamente, porque já estava mesmo perto do muro. Mas o coelho voltou a parar como se me esperasse. Eu então resolvi ir atrás dele. Ele passou num pequeno buraco no muro. Por sorte eu também cabia.

“Que estranho. Nunca tinha visto este buraco…”

Entramos no bosque e o coelho ia olhando para trás, atento. Ele queria mesmo que eu o seguisse! Andamos bastante até que finalmente o pequeno coelho parou. Fui até ao pé dele e procurei por ali a ver o que me quereria ele mostrar.

- Os meus filhos estão ali dentro…

“O coelho falou?”

- Ajudas-me? Há uma raposa que está sempre a tentar apanhar…

“O coelho falou mesmo?”

- Por favor…

“Enlouqueci, só pode ser esta a explicação”

- Por favor menina…

Esfreguei os olhos, tapei os ouvidos. Nada resultou. O coelho, ou melhor, a coelha, continuava ali a olhar para mim e a pedir ajuda.

Eu só pensava que estava maluca! Os coelhos não falam!

- Foi o anão da árvore que me disse para te pedir ajuda…

- O anão da árvore?

- Sim, o anão da árvore do bosque encantado! Ele é meu amigo…

E sorria novamente. A coelha sorria mesmo! Era difícil de acreditar.

- Anão da árvore? Bosque encantado? De que estas a falar coelhinha?

- Tu sabes de quem estou a falar. Do teu amigo anão! Foste tu que lhe construíste a casa!

“Anão? Bosque encantado? Casa? Isabel? Isabel? Eu não sou a Isabel! Eu estava dentro da história?“ e soltei uma gargalhada! Só podia estar maluca!

- Por favor ajuda-me! A raposa vem ai de novo!

Ela parecia tão aflita que eu fui atrás. Numa pequena cova no chão estavam lá três coelhinhos muito pequeninos. Era tão bonitos e tão fofinhos! Agarrei-os e embrulhei-os na minha camisola.

- Pronto, pronto. Não fiquem assustados… eu vou tratar de vocês.

Mas mal disse isto olhei em frente e lá estava a raposa a olhar para nós. Rosnou e pude ver-lhe os dentes afiados. Tive um certo receio mas não me deixei intimidar. Peguei na mãe coelha e juntei-as aos filhos dentro da minha camisola e assim saímos dali bem depressa antes que a raposa nos alcançasse. Corri o mais que pude ate ao buraco no muro, a raposa sempre atrás de nos. Depois de repente ouvi um tiro. O meu coração saltou de medo. Não podia deixar que ninguém fizesse mal aos coelhinhos! Talvez fosse um caçador e se visse o coelhos não mos iria deixar levar.  Olhei para trás e vi a raposa no chão. Estava morta. O caçador devia já estar mesmo muito perto. Passamos rapidamente pelo buraco no muro e corri até perto da laranjeira. Depois pousei os coelhinhos no chão e corri a tapar o buraco. Depois arranjei uma caixa de cartão e uma camisola velha e pus lá a mamã e os seus filhotes.

Tinha sido uma aventura e tanto!

- Obrigada menina…

A coelhinha estava com ar tão feliz…

- Os coelhos não falam e eu estou maluca!

- Tudo é possível se acreditarmos o suficiente nisso…

E eu fiquei a pensar naquilo. Encostei a cabeça na árvore e fiquei a olhar a caixa com os coelhinhos a ver a mãe fazer um ninho para os pequeninos com pequenos pedaços de pêlo.

Creio que adormecei um bocadinho. O meu primeiro pensamento foi de ver os coelhinhos. Ao meu lado estava u livro e a minha camisola toda amarrotada, mas os coelhinhos não estavam.

“Pois claro, sonhei”

E até me ri de mim própria por ter pensado ser possível ter conhecido um coelho que falava! Levantei-me para ir para dentro, mas ao passar pelo muro não resisti a olhar para o lugar onde tinha visto o buraco no meu sonho. E fiquei de boca aberta! Estava lá o buraco! Era mesmo estranho que nunca o tivesse visto! Encolhi os ombros e entrei em casa.

“Estou a ficar maluca!”

- Olá filha! Anda ver a raposa que o teu tio apanhou ai atrás no bosque!

Eu olhei para o quintal e só me lembrei das palavras da coelhinha: tudo é possível quando acreditamos o suficiente…

 

 

sinto-me: :)
publicado por magnolia às 23:45
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Carlos Gonçalves a 21 de Julho de 2010 às 19:22
A sua história só peca por uma coisa: o seu tio não podia ter morto uma raposa porque, graças às pessoas como o seu tio, já não há essas maravilhosas raposas nos bosques. E você pintou o seu conto de vermelho. É uma opção.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds