Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

Uma rua sem nome, a minha...

imagem retirada da net

 

Cheguei quase ao fim do dia à minha rua. Esta rua não tem nome, nem tem número, nem nenhuma placa que a identifique. Não precisa de ter nome nem numero nem placa, nem nada que a marque porque está gravada em mim e em todos os que por lá passaram para todo o sempre.

Voltei depois de um grande ausência. Senti saudades. Achei que tudo iria estar diferente, pior, muito pior do que a última vez que pisei aquelas pedras do chão mas enganei-me e fiquei feliz…

A luz do fim de tarde de Verão pintava tudo de um tom dourado. O sol já enfraquecido pela hora pousava nos telhados, iluminando-os, pousava nas paredes e pareciam menos velhas. Os beirais ferrugentos pareciam apenas pintados de escuro e as varandas de ferro rendado deixavam as orquídeas, os fetos e as begónias passar por elas. As buganvílias lilases cresciam sem licença e agarravam-se às pedras salientes das paredes, aos umbrais das portas e das janelas.

A rua estava deserta. As pessoas estavam dentro das portas atarefadas nas suas vidas de todos os dias. Podia sentir o cheiro dos cozinhados, numa porta cheirava a refogado, na outra alguém deveria estar a fazer um bolo para a sobremesa da família. Ouvi vozes e foi como se pudesse entrar dentro de cada uma das casas e participar das suas vidas, sentir os seus anseios, desejar os seus sonhos, acarinhar as suas crianças. E seria sempre bem recebida. Com abraços. Com sorrisos. Com beijos.

Ouvi também o eco dos meus passos nas pedras centenárias. Pedras polidas por milhares de sapatos e pés descalços que por ali passaram todos os dias, todos os meses, todos os anos, todas as décadas durante mais de um século.

A minha rua é a mais bela de todas as ruas que já conheci. Tem um salão de chá onde as senhoras se reúnem para o chá da tarde. Passo em frente e vejo o letreiro já desbotado onde se pode ler o nome: “Salão de Chá Londres” e apetece-me entrar e sentar-me um pouco. Mas está fechado, as cortinas de renda branca estão corridas e a porta fechada.

Também tem uma retrosaria. Era lá que as senhoras compravam as linhas e os botões para costurar as roupas dos filhos. Agora se calhar já não é assim, mas quando eu era pequena, era lá que a minha mãe comprava as linhas de bordar para fazer coisas maravilhosas nos meus vestidos floridos, a fita de seda, as molas e os botões. Agora vejo que na montra também tem alguma roupa e calçado. Mas o reclame mantém-se. Ainda se vê a marca das linhas que deve ter ajudado a pagar o reclame: “Retrosaria Coats” e por baixo, “Cotas & Claras”.

A florista que vendia de tudo e também fazia arregaçadas para os funerais e bouquets singelos para as noivas. Agora estava a porta fechada, mas dentro pude ver que continuava tudo como antes. Aparentemente continuava tudo como antes. Lembro-me que era lá e só lá que a minha mãe comprava todos os sábados as flores para enfeitar a sala. Sempre a sala.

E um alfaiate. Na minha rua tinha um alfaiate que usava sempre a fita métrica ao pescoço e andava sujo de giz. Agora diz pronto-a-vestir por cima da porta. Na montra, peças modernas para homem e senhora. Também o reclame já não é o mesmo. Talvez o Sr. alfaiate tenha morrido

Era sempre no Outono que passava por lá o vendedor de castanhas e ocupava ali um lugar perto do Sr. alfaiate e era certo que todos os dias o alfaiate lhe comprava meia dúzia de castanhas, porque não podia ser mais, porque a vida estava cara.

Passo por todos estes lugares como passei há uns anos atrás, muitos anos atrás e pouco mudou. Nada mudou na sua essência. A rua continua a ser a minha rua. As casas baixas caiadas de branco, já a precisarem de nova pintura continuam as mesmas. As pedras da rua são as mesmas. As varandas, as flores, as gaiolas penduradas nas varandas até ser noite, a roupa molhada estendida por fora da janela. Os postes de iluminação de ferro fundido e vidros quadrados. Os cheiros da minha rua, as cores da minha rua, os sonhos de todos os que cresceram por ali e que estão presos dentro de cada pedacinho da minha rua.

Voltei para ficar. Não sei como vai ser a minha história a partir daqui, mas sei que estou feliz por ter voltado a esta rua, à minha rua.  

 

 

 

Texto de ficção para a Fábrica das Histórias por Cláudia Moreira

 

 

 

 

sinto-me: :)
publicado por magnolia às 12:09
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De green.eyes a 16 de Outubro de 2009 às 16:48
Diz o ditado "O bom filho a casa torna" ...

Parabéns Claudia o seu texto está lindo ... aliás como sempre ...

Beijinhos e bom fim de semana
De magnolia a 19 de Outubro de 2009 às 12:45
Oh Ana, obrigada:)

Fico sempre tão contente quando sinto que gostam do meu trabalho...:)

Um beijinho grande
De agoradigoeu a 16 de Outubro de 2009 às 19:34
muito bonito
a tua rua será sempre tua e nela habitarás sempre o teu tempo...até sempre...
nrbto
De magnolia a 19 de Outubro de 2009 às 12:46
:))

esta rua não é a minha, mas poderia muito bem ser...:))

Um beijinho

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 114 seguidores

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.favoritos

. Gosto de ti

. Um beijo...

. Quando a noite chega...

. Tenho um sonho...

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds