Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Chama Solitária

 

 

Eu estava ali sentada há apenas alguns minutos e a única chama acesa era aquela que eu própria tinha acendido.

 

A igreja estava deserta, escura e fria. O cheiro bafiento da madeira comida pelo bicho e da cera derretida impregnavam o ar. O cheiro próprio dos velhos que debitam terços atrás de terços pairava por ali denunciando a sua presença assídua. Sentei-me no banco mais próximo de uma coluna larga de pedra fria onde estava encostada a mesa com as velas. Acendi uma delas e sentei-me, enrolada num velho casacão gasto, a olhá-la. A chama clara e quente libertou um cheiro agradável. Sentia a falta das minhas pessoas, daquelas que já partiram e lembrei-me delas com saudade, mas não rezei. Bem sei que é absurdo ir à igreja, acender uma vela e não rezar, mas já nem sequer me lembro das orações que aprendi na catequese. Já não sei rezar. Penso apenas nas minhas pessoas e sinto-lhes ainda a carne quente nos meus lábios como quando em vida lhes dava beijos nas caras já enrugadas. Os meus queridos avós.

 

Tenho muitas saudades e sinto uma pontinha de dor no peito. As lágrimas querem sair mas não deixo. Não quero chorar. Sei que eles também não querem que eu chore. Olho os vitrais da velha igreja românica e penso na sua beleza. Ouço o silêncio e deixo que entre dentro de mim. Sinto-me em paz ali entre as altas e velhas paredes de pedra gasta. Os santos olham-me de cima dos seus altares vestidos com as suas roupas estáticas e parecem tristes.

 

Eu também estou triste. Sinto-me só. Vou muito à igreja em busca da paz que me falta na vida. Por vezes tento conversar com Deus, mas ele não é muito conversador. Mas é bom ouvinte e eu aproveito para desabafar. Conto-lhe tudo. Conto-lhe tudo o que me vai na alma. Conto-lhe o que me atormenta. Conto-lhe os meus sonhos. Conto-lhe os meus desgostos. Às vezes peço-lhe a opinião sobre uma coisa ou outra mas ele na maioria das vezes fica em silêncio absoluto. Creio que fica à espera que eu própria encontre a resposta dentro de mim. Umas vezes encontro, outras vezes não. Acho que ele poderia facilitar muito mais a minha vida...

 

O tempo passa e dói-me o corpo de estar tanto tempo sentada na mesma posição no velho banco de madeira. Está frio. Um arrepio passa por todo o meu corpo e até os cabelos no alto da cabeça ficam eriçados. É noite já. O velho padre passa a coxear pela nave principal e vê-me. Cumprimenta-me educadamente. Já me conhece destas visitas solitárias mas até agora nunca me falou. Creio que desconfia que o meu propósito não é o religioso e não me confronta. Talvez tenhas esperanças que um dia venha a ser e lhe fale de livre vontade.

 

Penso em ir embora, mas não me apetece. Não tenho ninguém lá fora à minha espera. O meu estômago ressente-se das horas que ali passei. Digo em silêncio adeus aos meus entes queridos, cumprimento com um aceno de cabeça a Virgem e o menino, o São João Baptista e a Santa Rita. Levanto-me e depois de um breve sinal da cruz viro as costas ao altar e saio para a noite fria de Inverno. E também a frágil chama solitária se extingue...

 

 

Texto de ficção escrito para a Fábrica das Histórias por Cláudia Moreira

publicado por magnolia às 21:28
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De linhaseletras a 28 de Janeiro de 2011 às 22:21
Muito bonito este seu texto, será que a luz das velas só nos inspira tristeza?

De magnolia a 29 de Janeiro de 2011 às 09:36
Acho que também conseguiria escrever um texto alegre com este tema....mas hoje foi assim que saiu :)))

Um beijinho e bom fim-de-semana!
De Natacha a 30 de Janeiro de 2011 às 00:16
Gostei da forma como "fugiste" ao que sempre me inspiram as velas :) momentos íntimos de sedução, erotismos e afins :)

Parabéns! :)

Um beijinho
De magnolia a 31 de Janeiro de 2011 às 21:07
Muito obrigada Natacha:))) Tenho que vos ir ler a todos mas o tempo é escasso....

Um beijinho enorme!!
De SDaVeiga a 30 de Janeiro de 2011 às 23:43
Lindo!
Foi a primeira coisa que me veio à cabeça, porque também eu sou fã de "meditação igrejal", mas acabou por sair um momento típico, como disse a Natacha.

Boa semana Magnolia!
De magnolia a 31 de Janeiro de 2011 às 21:08
Eu já lá vou espreitar:)) Muito obrigada pela visita!


Beijinhos
De Cláudio a 31 de Janeiro de 2011 às 20:26
De facto, é no silêncio fresco de uma igreja antiga e vazia de gente, que muitas vezes marco encontro comigo mesmo.
De magnolia a 31 de Janeiro de 2011 às 21:09
Eu também... Este texto não é completamente ficção...

Beijinhos
De Monstrinha a 2 de Fevereiro de 2011 às 16:54
Lindo conto! Me fez sentir frio e vontade de ir à igreja.
Saudades não tenho tantas porque não conheço ninguém que tenha falecido além de uma certa parte de mim mesma.
=)

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 114 seguidores

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.favoritos

. Gosto de ti

. Um beijo...

. Quando a noite chega...

. Tenho um sonho...

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds