Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

A história de uma mentira sem perdão

imagem retirada da net

 

 

 

 Texto de ficção escrito para a "Fabrica das Historias"

 

Tudo começou com aquela mentira para o afastar de si. Não queria que ficasse consigo por pena. Sara era assim: ou tudo, ou nada. Por isso disse-lhe que aquela noite não tinha tido significado nenhum e que ele podia muito bem ir à vidinha dele. E ele foi. Sara verteu muitas lágrimas, passou muitas noites em claro e um dia descobriu que ele namorava e estava muito feliz. O seu mundo desabou, saiu, bebeu, bebeu e bebeu e foi parar ao hospital. E foi ai que descobriu uma coisa que iria mudar a sua vida para sempre: estava grávida de quatro meses. Aquela noite tinha-lhe dado um filho e agora estava sozinha e ele estava apaixonado e feliz, mas por outra e ela não sabia o que fazer com a sua vida. Com aquele filho inesperado…

A barriga cresceu transportando dentro dela uma menina de nome Maria que Sara exibia orgulhosamente. E foi num dia em que muito perto dos nove meses, Sara passeava devagar por causa do peso da barriga, que surgiu a segunda mentira. João viu-a e ficou muito surpreendido com o estado de Sara. Quando lhe perguntou de quanto tempo estava e Sara percebeu onde ele queria chegar hesitou apenas uma fracção de segundo antes de responder que estava de oito meses. Ele pareceu ficar ligeiramente desapontado mas disfarçou bem, deu-lhe os parabéns e desejou-lhe toda a sorte do mundo. E ela não teve coragem de correr atrás, e não reparou a mentira em que entrara há nove meses atrás e também não desfez a que acabara de dizer.

O tempo passou e a Maria cresceu e começou a fazer perguntas. Mais uma vez Sara refugiou-se na mentira porque não saberia lidar com a verdade e com as consequências que essa verdade acarretaria. Disse que o pai tinha morrido logo depois de terem casado. Maria cresceu dizendo a todos que era órfã de pai. Maria não estranhou que tinha apenas o nome da mãe porque era inocente. Maria quase todos os dias via e falava com o João. Ele era professor de matemática da escola que Maria frequentava e tinha calhado ser professora dela, facto que gelou o coração de Sara no dia em que descobriu. João nem suspeitava que aquela adolescente sorridente que lhe calhara ensinar nesse ano era filha de Sara e muito menos dele próprio. E foi esse sorriso que o levou a gostar de Maria de uma forma especial. E aquilo que era suposto ser uma simples atracção da aluna pelo professor mais velho mas bem parecido passou a uma atracção verdadeira entre uma mulher e um homem no dia em que se reencontraram na faculdade, mais uma vez ela como aluna e ele como professor. E foi já depois de vários passeios na praia de mão dada que Maria disse em casa que iria jantar com o João. O mundo fugiu debaixo dos pés de Sara quando ouviu aquele nome. A custo perguntou quem era e Maria sorridente e feliz disse que era aquele professor bonito de olhos azuis, olhos que eram cópias dos dela. Sara ficou calada, colada, petrificada e nem reagiu quando a filha saiu.

Um pouco mais tarde Sara levantou-se, ligou à filha a saber onde estava e como um autómato foi ter ao restaurante, onde os encontrou de mãos dadas, felizes, olhando-se nos olhos, prometendo amor eterno.

De principio nenhum deles entendeu o que estava ela ali a fazer, a filha sem saber porque a mãe interrompia o seu jantar e o João por não saber o que tinha ela a ver com Maria.

Ela disse apenas estas palavras:

- João, a Maria é tua filha.

Virou as costas e saiu. Não conseguiu suportar a confusão e depois a dor que viu nos olhos de ambos.

Nenhum dos dois lhe perdoou. Ele porque passou vinte anos sem saber que tinha uma filha e ela por ter passado vinte anos sem saber que tinha um pai.

Ainda hoje Sara não se perdoa. Já passaram muitos anos, o seu cabelo ficou branco, as rugas vieram para ficar, as costas já não as endireita e o coração continua ferido com a ausência da sua filha, com a ausência do seu perdão. E enquanto Maria não lhe perdoar esta grande mentira que durou vinte anos e nove meses, também sara não se perdoa por ter mentido…

 

sinto-me: a romancear
publicado por magnolia às 19:31
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Lébasi a 21 de Outubro de 2008 às 20:43
Boa-noite .
Não estava nada há espera de me emocionar com este pequeno grande texto mas é certo que conseguiu . A mentira nunca nos leva a lado nenhum , verdade da rua .. mas é certo que em momentos de ciume, medo , ou dor , é a primeira a que recorremos .

Beijinho.
De magnolia a 22 de Outubro de 2008 às 18:47
Olá Pequeno Ser,

Obrigada pela visita e tens mesmo muita razão, as vezes a vida "obriga" a certas coisas...mas temos que as evitar...tentar pelo menos..

Beijinhos
De agoradigoeu a 21 de Outubro de 2008 às 22:34
Claudia,
Ao ler a história, além de me emocionar, fiquei a pensar...
O facto é que "...Em verdade, em verdade te digo"...que a mentira nunca, jamais servirá a vida.
Qualquer relação, seja ela qual for, carece de confiança, a confiança é com certeza um dos maiores centros de tudo, e determinante.
Vim há pouco tempo de Fátima e o mandamento presente para rste ano de 2008 é o 8º "Viver na Verdade".
Para mim, seja ela qual for a verdade - a verdade - é e será sempre vida.

Agora a tua história dá e deixa muito em que pensar... ele há momentos!!!... que o final do julgamento...é dramático...e quem somos nós para julgar os outros?!!!...
digoeu

continua
um beijo
norberto
De magnolia a 22 de Outubro de 2008 às 19:00
Olá Norberto,

Mais uma vez obrigada pelas tuas palavras.

A verdade é uma coisa complicada porque cada um tem a sua e mexe com a liberdade de cada um, mexe com a maneira de sentir de cada um, e muitas vezes mentir é uma forma de evitar problemas... mas eu tento viver na verdade sempre! Acho que compensa sempre, quanto mais nao seja por viver em paz comigo.

Beijinhos
De anne ♥ a 26 de Outubro de 2008 às 01:17
Gostei do texto.. as palavras sao tao sentidas^^

A realidade é qe a mentira se deve evitar ao extremo,´nao ha pior coisa no mundo qe a mentira*

Todos os textos qe escrevestes, sao lindissimos.
Gosto da maneira como escreves x}

bem, beijinhos*
De magnolia a 27 de Outubro de 2008 às 10:21
Olá annie*

Muito obrigada pelo teu comentário:) Fico sempre muito feliz quando o que eu escrevo agrada...

A mentira é das coisas piores que pode haver no mundo. A mentira magoa, destroi, corrompe...nada de bom vem com a mentira.

Beijinhos e aparece!
De Anónimo a 10 de Novembro de 2010 às 23:03
MUITO BOM ESSACOISA
De roneir dias a 31 de Março de 2012 às 11:47
Quando uma pessoa traen uma mulher pra ficar com outra jamais deveser perdoado

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds