Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

Estrela Guia

imagem retirada da net

 

Uma luz suave desceu sobre mim e envolveu-me de uma forma inesperada. Fechei os olhos e senti a suavidade da seda no rosto e uma paz no coração como nunca tinha sentido antes. Deixei-me embalar pela melodia que parecia ser tocada por anjos e todos os maus pensamentos desapareceram. Estava em paz.

Não sei quanto tempo estive assim, talvez um segundo, talvez umas horas, não sei. Sei que quando saí daquele torpor, pensando que deveria ter passado pelo sono, vi aquela luz subir acima da minha cabeça e uma força irresistível impeliu-me a segui-la. Não tinha sido um sonho afinal.

Atravessei ruas e travessas, sempre seguindo aquela estrela, subi montes e atravessei rios. Não sei quanto tempo caminhei. Tive tempo de pensar que era uma alucinação e deveria estar maluca seguindo uma estrela por montes e vales. Já nem sequer sabia onde estava. No entanto a mesma força continuava a fazer-me andar, sem sequer sentir cansaço algum. Estava frio, mas não o sentia, apenas via o vapor que saia da minha boca. Tinha deixado tudo para trás, casaco, carteira, tudo. Há quanto tempo estaria a caminhar? A paisagem ia mudando, vi pessoas nas bermas das ruas que me olhavam desconfiadas, os gatos seguiam-me durante um pedaço de caminho. Será que também viam a minha estrela? Não viam, sei-o agora. Estavam era espantados com uma mulher que seguia algo que não viam, sem casaco, e sapatos de salto alto em pleno Inverno…

Finalmente a estrela parou. Ficou ali, a pairar sobre algo que eu não via. O seu brilho foi aumentado gradualmente à medida que me aproximava dela. Foi descendo devagarinho, até que ficou a pairar tão baixinho que quase tocava no chão. Aproximei-me a medo. Estava no meio de um pinhal. O cheiro intenso a resina entrava-me pelas narinas e os pequenos ramos partiam-se, estalando debaixo dos meus pés. A claridade era tão intensa que me obrigava a semi-cerrar os olhos. Aos poucos fui-me habituando àquela luz, e pude então aperceber-me do que me rodeava. Já era de noite, a escuridão envolvia-me a mim e à minha estrela. As árvores balançavam com o vento frio do norte e a vegetação rasteira fazia-me cócegas nas pernas. Os pássaros estavam calados, já recolhidos para a noite. Nada perturbava o silêncio da noite. Eu cismava no motivo que me trouxera ali. Seguira uma estrela. Estaria louca? Onde estaria? Não fazia a mínima ideia.

Foi mais ou menos nesta altura que as minhas reflexões foram interrompidas por um choro de criança pequena. Ouvi com mais atenção e lá estava o choro de novo. Esforcei a vista e pude perceber algo encostado a um pinheiro manso. Era uma alcofa. Mal acreditando, corri para lá e o meu coração deu um pulo. Um bebé pequenino, quase recém-nascido estava ali, envolto em mantinhas azuis e fazendo beicinho, numa tentativa de choro. Meu deus! Que faria ali um bebé no meio do bosque? Olhei para a estrela e a sua luz estava agora mais intensa que nunca. Peguei na criança e vi que estava bem, mas com fome. A sua boquinha reclamava o peito de uma mãe. Infelizmente isso não poderia dar-lhe. Mil perguntas enchiam a minha cabeça mas agora não teria tempo de as responder. Precisava urgentemente de encontrar alguém, uma casa aquecida, um hospital, não importava, precisava era de encontrar algo para dar de comer ao bebé. Olhei a estrela que continuava a pairar em cima de mim e mudamente lhe pedi que me guiasse novamente. Como se me tivesse ouvido começou a avançar lentamente. Eu segui-a o mais depressa que pude, levando num braço o menino e na outra a alcofa. Algum tempo depois avistei uma casa onde podia ver uma janela com luzes acesas lá dentro. Olhei a estrela em sinal de agradecimento, mas ela não esperou, subiu lentamente ao céu, misturando-se com as outras estrelas suas irmãs.

- Obrigada, Estrela Guia. - E sorri.

Hoje esse menino é meu filho. Nunca se descobriu quem o deixou naquele bosque. Nunca ninguém o reclamou. Não importa, é meu e não deixarei nunca que nada de mal lhe aconteça.

A estrela? Essa nunca mais a vi, ou melhor, devo ter visto, mas no meio de tantas que povoam o céu, não sou capaz de a distinguir. Se calhar nem houve estrela nenhuma, pelo menos ninguém acreditou na minha história1 Não importa. Eu sei o que vi, sei o que senti, sei o presente que me trouxe. Foi um milagre, gosto de pensar. O meu milagre. O milagre que me trouxe o meu filho querido. E isso, por muito tempo que passe, ninguém me pode tirar…

 

 

Texto de ficção para a "Fábrica das Histórias"Autora: Cláudia Moreira

 

 

sinto-me: ligeiramente inspirada
publicado por magnolia às 12:25
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De mafalda a 8 de Janeiro de 2009 às 22:03
tão lindo!!!
as tuas histórias conseguem sempre surpreenderem-me... pela positiva, claro!
há sempre um misto de emoções que perduram para além da leitura do último parágrafo, da última frase, da última letra... assim como há sempre uma lição a tirar.
beijinhos.

ps. se não estiveres a ver quem sou, sou aquela que antes era conhecida por "jianna" ;)
De magnolia a 8 de Janeiro de 2009 às 22:32
Bem...acho que até corei:) Muito obrigada pelo teu elogio ao meu texto, textos aliás:)

Muito obrigada mesmo Mafalda:)

Eu ando um pouco sem tempo...mas ainda esta semana vou espreitar a tua história

Muitos beijinhos
De Inês a 9 de Janeiro de 2009 às 23:41
Sou uma aluna do 10ºano e no âmbito de um trabalho de Projecto estou a realizar um inquérito a pais de filhos adolescentes que consta no seguinte endereço: http://inqueritoapaisdefilhosadolescentes.blogs.sapo.pt
Gostaria que respondesse se for o seu caso e desde já, obrigada.
De magnolia a 11 de Janeiro de 2009 às 19:49
Vou lá ver:)
De poetaporkedeusker a 10 de Janeiro de 2009 às 01:39
Olá Cláudia! Parece que as nossas histórias também se cruzaram pontualmente, num ponto indeterminado do caminho...
Abraço!
De magnolia a 11 de Janeiro de 2009 às 19:50
Olá Poeta:)

Já lá fui ver...e tinhas razão:)

Beijinhos
De agoradigoeu a 11 de Janeiro de 2009 às 18:26
Parabéns Cláudia,
O céu é o limite...
e a tua estrela está lá, garanto-te.
Muito bonito.
A "Fábrica das Histórias" com a criatividade destes excelentes autores é já um projecto com "estrelinha".
Beijos
norberto
De magnolia a 11 de Janeiro de 2009 às 19:51
Olá Norberto,


Tens razão, a "Fábrica" tem uma estrelinha....aliás, tem muitas estrelinhas:)

Obrigada por gostares das minhas palavras:)

Um beijinho

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 114 seguidores

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.favoritos

. Gosto de ti

. Um beijo...

. Quando a noite chega...

. Tenho um sonho...

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds