Quinta-feira, 5 de Março de 2009

A viagem da minha vida

 

 

O comboio avançava lentamente e eu de cabeça encostada à janela via passar os imensos campos de trigo pintados a ouro. De vez em quando uma mancha verde a lembrar um sobreiro salpicava a paisagem dourada. O céu estava tão azul que ofuscava e o sol brilhava intensamente lá no alto. Eu levava um vestido de algodão de alças finas de cor azul como o céu. Ia bem com o meu tom de pele, bronzeado nas praias alentejanas. Levava uma revista na mão e abanava-me devagar. Estava mole. Os quase quarenta graus estavam a deixar-me prostrada. A paisagem continuava a correr e o comboio continuava a sua marcha lenta: pouca-terra pouca-terra…

Na estação seguinte vi um bando de jovens de mochilas às costas e intimamente desejei que não viessem para a minha carruagem. Estava tão bem naquela modorra de fim de tarde, embalada pelo suave abanar do comboio, lendo, dormitando… E ainda faltava bastante para o meu destino.

Não entraram. Em vez deles entrou um homem de idade indefinida. Eu diria por volta dos trinta, mas também poderia ser quarenta. Educadamente disse boa tarde e sentou-se na secção de bancos ao lado da minha. Olhei-o de soslaio e não pude deixar de reparar nos seus traços finos. Estava vestido de forma casual, de azul por sinal e trazia um livro consigo. O livro foi o que mais me chamou a atenção. Confesso que me fartei de espiar o homem até descobrir o que estava a ler. Qual não foi o meu espanto quando vi que lia o mesmo livro que eu! Devo ter ficado a olhar com cara de parva, porque de repente ele estava a sorrir-me. Senti-me corar e tentei esconder o livro que tinha na mão. Demasiado tarde. Ele também já o tinha visto.

- Estamos a ler o mesmo. – Disse ele com um grande sorriso maravilhoso.

Eu balbuciei algo que ele não entendeu e eu também já não sei o que foi. Mas olhei-o e pude ver uns olhos azuis tão intensos que me hipnotizaram. Era sem duvida o homem mais bonito que vi até aquele momento! E para meu grande terror ele levantou-se e veio sentar-se no banco à minha frente.

- Olá. Eu sou o Gabriel.

E com isto estendeu a mão e agarrou na minha, num aperto de mão suave mas firme.

- Eu sou a Lara… – Gaguejei. Senti-me estúpida. Uma adulta a portar-se como uma adolescente.

Ficamos em silencio algum tempo olhando pela janela. Pelo canto do olho vi que me observava com os seus maravilhosos olhos azuis. Ganhei coragem e olhei-o também. Sorriu.

- Vamos tomar um café ao bar?

- Sim, obrigada. É uma óptima ideia!

Levantamo-nos e ele cedeu-me a passagem. Colocou uma mão nas minhas costas ao de leve ajudando-me a atravessar os corredores e chegamos ao bar do comboio. Sentamo-nos nos sofás de pele branca e tomamos um café horrível enquanto falávamos e eu já nem via a seara a passar. Contamos muitas coisas das nossas vidas e rimos de tudo e de nada. Confesso que me sentia nas nuvens. Que pena a viagem estar prestes a terminar…

Dali a pouco ele foi buscar as coisas dele. Saia na estação antes da minha e eu preferi continuar ali mais um pouco. Despedimo-nos com um abraço rápido, dois beijinhos e um sorriso. Quando saiu pela porta da carruagem senti um aperto no peito.

- Trouxe-te o livro para não te sentires tão só… – não estava a contar que voltasse para trás e apanhei um susto ao senti-lo tocar-me no braço.

- Ah! Obrigada, mas não precisavas….

- Assim pude ver-te mais uma vez…

E com isto chegou-se a mim e beijou-me os lábios suavemente e partiu. Ainda o pude ver na estação olhando-me, dizendo-me adeus até que o seu rosto se perdeu e deu lugar à seara e aos sobreiros e ao céu toldado de laranja de fim de tarde. O resto da viagem foi muito triste. Voltei para o meu lugar e preparei as minhas coisas para sair.

 

***

 

Por altura do meu aniversário já se tinham passado cerca de três meses e já não pensava tanto no Gabriel, o homem que me tinha roubado o coração em apenas três horas. Tinha sido tudo tão estranho. O encontro. A conversa. O beijo. A saudade. Tantos sentimentos confusos dentro de mim. A dificuldade em voltar para a minha vida normal depois de o conhecer. Que vida estranha. Mostra-nos a felicidade, para logo no-la tirar. Foi apenas um vislumbre.

No aniversário deram-me vários livros e andei a arrumar a estante. Peguei no livro que levava no comboio naquele dia e logo as recordações me atacaram furiosamente. Senti saudade. Senti uma dor física com a sua ausência. Folheei o livro e algo de estranho me chamou a atenção. Aquele não era o meu livro! Na primeira página podia ler em cima o nome do Gabriel e uma data, tal como eu também faço quando compro um livro e por baixo em letras bem desenhadas:

 

Querida Lara,

 

Não vais acreditar se te disser que estou apaixonado por ti. Eu próprio não acreditaria se me dissesses o mesmo hoje de manhã. Nunca acreditei no amor à primeira vista. E no entanto foi isso mesmo que aconteceu comigo hoje quando te vi pela primeira vez. O meu coração deu um pulo e disparou em marcha acelerada rumo ao desconhecido. Senti-me impelido a abraçar-te, a beijar-te os lábios perfeitos que tens. Seria loucura abandonar tudo e todos e pedir-te para fazeres o mesmo, agora, já, neste preciso momento. Não to posso pedir nem eu o posso fazer. No entanto pode ser que num futuro próximo queiras experimentar ter-me a teu lado…fica o meu coração nas tuas mãos…

 

Com amor,

Gabriel

 

Ps: a minha morada é….

 

 

 

 

Texto de ficção para a Fábrica das Histórias por Cláudia Moreira

 

 

 

 

sinto-me: sonhadora
publicado por magnolia às 15:51
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De Marta a 5 de Março de 2009 às 15:56
Lindo Lindo Lindo

Beijinhos
De magnolia a 6 de Março de 2009 às 00:14
Essas três palavrinhas aqueceram o meu coração, acredita:)

Beijinhos
De Cloudy a 5 de Março de 2009 às 17:06
Lindíssima viagem magnólia! Acho que eu ia no comboio de cusca!
De magnolia a 6 de Março de 2009 às 00:15
ehehehe! quer dizer que conseguiste "ver" tudo o que se passou não foi? :)

Beijinhos
De Cloudy a 6 de Março de 2009 às 10:53
Exactamente! Beijinhos e um bom dia para ti!
De Marta a 5 de Março de 2009 às 20:56
Gostei imenso do post , está incrivelmente bem escrito :)

Beijinho
De magnolia a 6 de Março de 2009 às 00:16
Bem, grande elogio!

Obrigada:)

Beijinhos!
De agoradigoeu a 6 de Março de 2009 às 05:17
Claudia,
Linda história.
Histórias que nos fazem continuar a sonhar que a vida é maravilhosa.
Parabéns
norberto
De magnolia a 9 de Março de 2009 às 00:16
A vida pode ser maravilhosa....embora raramente o seja na realidade...mas sonhar pordemos sempre não é Norberto? :)

Beijinhos
De agoradigoeu a 9 de Março de 2009 às 07:40
Claudia,
A vida na realidade é mesmo maravilhosa, podes ter a certeza até porque tu o sabes bem, porque o transmites neste teu lado da vida - a escrever.
Encontra-te com o teu "interior" que é tão "bonito" e verás se a vida não é realmente maravilhosa.
Tens tudo para que assim seja.
um beijo amigo
em todos os dias das mulheres
norberto
De nOgS a 10 de Março de 2009 às 15:53
Que lindo!!!
De magnolia a 10 de Março de 2009 às 23:56
Obrigada!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Encerrado

. I love books

. Viagem inesquecível

. Hoje...

. O último retrato

. Post-scriptum

. Isa

. Página em Branco

. Chama Solitária

. Não há amor como o primei...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.Visitinhas

.mais visitinhas

.Quem por cá anda...:)

blogs SAPO

.subscrever feeds