Domingo, 31 de Maio de 2009

As cores dos meus dias...

 

 

 

Se a minha vida tivesse um fundo colorido, mudaria mil vezes em cada dia. Nalguns dias a manhã acordaria azul celeste, de tarde seria amarelo como o sol, ao fim do dia laranja como o pôr-do-sol e à noite seria cinza, mistura do negro do céu e do branco da lua. Noutros o fundo seria cinza escuro de céu de Inverno, de manhã e de tarde seria cinza claro da cor das nuvens de Verão e a noite seria negra como a pantera que corre nas florestas Africanas. E se às vezes acordasse negro iria mudando devagarinho até que a tranquilidade da noite e da almofada o pintasse de branco imaculado.

Se a minha vida fosse como um filme de banda desenhada e eu a pudesse pintar com lápis de cor, pintaria o amor de amarelo como os malmequeres, a amizade de rosa claro como as madressilvas que cobrem os muros das aldeias. Pintaria a alegria do riso das crianças de laranja como as laranjas dos pomares e de azul vivo os abraços que daria aos meus amigos. De vermelho cor de fogo, de laranja, de lilás como os lírios do campo eu cobriria as noites maravilhosas de paixão.

As vezes, quando vemos a vida tão cinzenta deveríamos pensar no arco-íris e lembrar que há mais cores além do cinzento. Sonhar com o amarelo, o verde alface, o violeta e o azul, com o vermelho e o laranja e o cor-de-rosa porque às vezes os sonhos tornam-se realidade.

Nada na vida é a preto e branco, nada na vida tem apenas uma cor, mas sim mil tons de cada cor. Há mil tons de azul, mil tons de castanho, mil tons de rosa, mil tons de cada cor e do mais claro ao mais escuro, todos os tons pintam os nossos dias.

Que seria deles, dos nossos dias sem as cores? Que seria de nós sem o azul do mar, as cores do pôr-do-sol? Que seria de nós sem o verde intenso das arvores na primavera? Não poderia viver sem o azul do céu em dias de verão, nem poderia viver sem o vermelho das rosas aveludadas dos jardins. Não quereria nunca viver se não pudesse ver o dourado das estrelas numa noite de Verão, nem quereria viver se não pudesse ver o violeta das orquídeas das árvores. Não me imagino a viver sem ver os peixes multicores nem os pássaros que se enfeitam de plumas coloridas. Seria impossível viver sem o azul dos olhos da minha filha.

As cores, são as cores que habitam os nossos dias e lhe dão graça. Imaginam como seria viver num mundo sem cor, todo monotonamente igual? Eu não. Eu não me posso sequer imaginar num mundo sem cor, e por isso, agradeço todos os dias ao maravilhoso inventor da cor, esteja ele onde estiver!

 

 

 

 

Ficção para a fábrica das histórias por Cláudia Moreira

 

sinto-me: pensativa
publicado por magnolia às 23:45
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 113 seguidores

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. As cores dos meus dias...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.favoritos

. Gosto de ti

. Um beijo...

. Quando a noite chega...

. Tenho um sonho...

blogs SAPO

.subscrever feeds