Domingo, 11 de Abril de 2010

Recomeçar do nada

 

 

 

 

 

 

Não foi fácil. Não foi mesmo nada fácil. As lágrimas corriam-me ligeiras pela cara sem que as conseguisse deter. No peito o aperto de uma tenaz. Mesmo assim tive que o dizer. Era preciso escapar daquela vida de cheiro fétido e começar tudo de novo. Era preciso ganhar coragem para um novo recomeço onde o sol fosse capaz de brilhar. Estava farta daquela vida de medo e angústia. Os últimos anos tinham sido passados a sofrer por causa daquele homem. Tudo tinha começado alguns dias depois do casamento. O homem por quem me apaixonei era um homem de má índole. De inicio eu não queria acreditar que me tinha enganado tão redondamente sobre o homem que escolhi para marido. Eu amava-o muito e sofri como nunca esperei sofrer no dia em que me bateu pela primeira vez. Foi como se me tivesse arrancado o coração do peito a sangue frio. Foi como se me tivessem arrancado a pele, centímetro a centímetro sem qualquer piedade. Depois atirou as culpas para os dias difíceis e para o álcool a mais e passou. Mas em breve a historia se repetiria. E repetiu-se muitas e muitas vezes. E nem eram precisas desculpas. Eu vivia aterrorizada e não sabia o que fazer. Queria libertar-me mas ao mesmo tempo não queria. Tinha medo dele e de não saber viver uma vida sozinha. Nunca tinha vivido sozinha. Tinha saído de casa dos meus pais menina directamente para a casa do meu marido. Durante o casamento ele nunca me tinha deixado tomar conta da minha própria vida. Hoje sei que ele o fazia para não me dar armas para lutar contra ele. Não queria que eu soubesse ser independente. Depois, um dia, comecei a pensar que talvez eu fosse capaz de viver sozinha, de tomar conta da minha própria vida. Pensei muito e ganhei coragem. Só faltava dizer-lhe. Só faltava encarar aquele rosto maldoso e dizer-lhe que queria o divórcio. Tive esperanças que talvez fosse possível divorciar-me e recomeçar uma vida ali, perto dos meus pais. Mas ele não aceitou bem o facto tal como eu já previa. Esbracejou como um afogado, depois vociferou como um condenado e por fim, ao ver-se encurralado pela situação e sem conseguir obrigar-me a mudar de ideias fez de mim um saco de pancada, mais uma vez. Foi então que admiti que não haveria qualquer hipótese de começar uma nova vida ali, perto daquele ex marido agressivo e possessivo. Teria que recomeçar uma vida do zero, longe, o mais longe onde fosse possível chegar.

De madrugada fiz um saco com roupa e alguns objectos pessoais. Depois olhei em volta para a casa que eu construi e decorei com as minhas próprias mãos e despedi-me. Não levava saudades no peito. Tinha passado ali, entre aquelas paredes, algumas das piores horas da minha vida.

Já na rua respirei fundo. Certifiquei-me que não era seguida e avancei calmamente para o carro.   Depois o barulho do motor do carro foi uma libertação. Estava pronta para recomeçar.

Depois, quando já o sol ia alto, comecei a pensar no que fazer. Não tinha nada planeado e era preciso um plano. Não um plano complicado, nada a longo prazo, apenas um esboço do que iria começar por fazer numa vida completamente nova. Era preciso saber por onde começar.

Continuei a fazer quilómetros até me sentir longe o suficiente, segura o suficiente, serena o suficiente. Precisava de reaprender a capacidade de respirar normalmente. Depois o pôr-do-sol estava tão bonito que o segui. Sai da auto-estrada e conduzi por estradas secundárias até avistar o mar. Uma pequena vila piscatória aparecia ao meu lado direito emoldurada pelo mar e pelo céu ardente de um fim de tarde de verão. Tudo estava perfeitamente tranquilo. Sai do carro e caminhei até à areia. Descalcei-me e fui molhar os pés cansados. A água fria provocou-me um arrepio na pele mas soube imensamente bem. Já não estava quase ninguém na praia. O sol estava quase a chegar à linha do horizonte e em breve desapareceria. O céu parecia uma pintura e no ar ainda podia sentir o cheiro a bronzeador. Senti-me em paz pela primeira vez em muitos anos. Senti-me renovada. Sabia que tinha um longo e difícil caminho pela frente. Sabia que não tinha dinheiro nem emprego. Sabia que seria preciso muita força para levar avante aquele recomeço sem sucumbir. Mas tive esperança e acreditei que seria possível. Pela primeira vez respirei profundamente e sorri. Desejei viver. Desejei ser feliz. E seria ali. Tinha a certeza que seria ali. Já me conseguia imaginar a viver por ali numa pequena casa caiada de branco que teria uma janela com cortinas brancas e que quando uma brisa as fizesse voar elas me deixaram ver um mar azul e imenso. Sim, tinha a certeza disso. Seria feliz ali.

 

 

Texto de ficção escrito para a fábrica das histórias por Cláudia Moreira

 

 

sinto-me: pensativa
publicado por magnolia às 23:49
link | comentar | ver comentários (12) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 116 seguidores

.pesquisar

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Recomeçar do nada

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2006

.favoritos

. Gosto de ti

. Um beijo...

. Quando a noite chega...

. Tenho um sonho...

blogs SAPO

.subscrever feeds